top of page

Analista diz que alta de outubro é 'coisa pouca' e indica que o Bitcoin e 6 criptomoedas podem subir

O mês de outubro ganhou o apelido de 'Uptober', mas para o analista Mike Ermolaev a alta do período pode ser 'fichinha' perto do que deve ocorrer em Novembro



O mês de outubro pode ser considerado como um dos melhores para a história do Bitcoin (BTC) já que várias notícias positivas fizeram o preço da maior criptomoeda do mercado estabelecer uma nova marca histórica em US$ 67 mil e, pela primeira vez, fechar um mês acima de US$ 60 mil.


Além disso o otimismo com o BTC levou o mercado de criptomoeda a registrar novas marcas históricas em várias altcoins, fortalecendo o mercado como um todo. Por isso o período ganhou o apelido de 'Uptober'.


Mas para o analista Mike Ermolaev, da ChangeNOW, quem acredita que outubro foi o melhor mês do ano para as criptomoedas está enganado. Segundo Mike, a alta do período pode ser 'fichinha' perto do que deve trazer o 'Moonvember'.


"Outubro se tornou o melhor mês para o preço do BTC desde dezembro de 2020, mesmo batendo o desempenho do primeiro trimestre. O BTC postou um ganho de 39,9% para terminar em 61.330,0 em 31, seu primeiro fechamento mensal acima do limite psicológico de $ 60.000. No geral, isso contribui para a perspectiva positiva para o mercado de criptomoedas", disse.


Ele aponta que há uma visão nova relativamente difundida de que os preços do BTC e os preços das ações dos EUA estão correlacionados. Uma vez que novembro tem sido tradicionalmente o melhor mês para as ações dos EUA, as chances são a favor das ações atuando como um catalisador para mais ganhos em bitcoin.


"Como pode ser visto no gráfico abaixo, existe uma correlação positiva entre os preços do S&P 500 e do BTC em alguns intervalos de tempo. Embora os padrões não se repitam exatamente em todo o gráfico, definitivamente existem alguns movimentos comuns", aponta.



Preço do Bitcoin


Assim, segundo ele, considerando os fundamentos da rede Bitcoin, esta semana será a oitava consecutiva na qual ocorrerá um ajuste de dificuldade positivo na mineração Bitcoin - algo que não acontecia desde 2018.


Além disso, ele pontua que a taxa de hash da mesma forma continua a tender para novos máximos. Atualmente, a taxa média de hash está em cerca de 159 EH/s - mais perto do que nunca do recorde de abril de 180 EH/s, quando ainda tinhamos a China como maior centro de mineração de Bitcoin do mundo.


Ele também pontua que de acordo com o popular analista da rede Willy Woo, a corrida de alta das criptomoedas pode se estender até 2022 por causa de um grande número de detentores de Bitcoins de longo prazo que criam pressão de compra para o BTC.


“Estamos naquele ponto em que todos os novos caras que compraram durante o primeiro semestre deste ano, agora são titulares de longo prazo e estão no auge. Eles estão fornecendo o travamento necessário para nos levar ao nível de seis dígitos ”, aponta ele citando o analista.


Ermolaev destaca também uma análise de Matthew Hyland, com base no indicador Bollinger Bands, que afirma que uma grande mudança no preço do BTC pode ocorrer em breve. A mesma coisa já aconteceu este ano toda vez que as bandas apertaram tanto.


"Na minha opinião é que a resistência em US$ 65.000 deve limitar qualquer alta no Bitcoin no curto prazo, mas um rompimento sustentado poderia empurrar o bitcoin para testar a resistência em US$ 70.000 e além", afirma.


Fonte: Cointelegraph

Comments


bottom of page