top of page

UE vai tomar medidas para impedir que Rússia use criptomoedas para evitar sanções

Medidas devem concentrar-se nas entidades centralizadas que fazem a ponte entre a moeda fiduciária e o mercado de cripto-ativos.



A União Europeia deve reprimir a capacidade da Rússia de evitar sanções econômicas usando criptomoedas, de acordo com o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire.


“Estamos tomando medidas, em particular sobre criptomoedas ou cripto-ativos que não devem ser usados ​​para contornar as sanções financeiras decididas pelos 27 países da UE”.


Esta não é a primeira vez que funcionários públicos levantam preocupações sobre o uso de criptomoedas pela Rússia para evitar sanções.


Em meio à invasão da Ucrânia, o vice-primeiro-ministro ucraniano Mykhailo Fedorov pediu às exchanges de criptomoedas que banissem os usuários russos.


No início desta semana, vários democratas do Senado também perguntaram à secretária do Tesouro Janet Yellen como os EUA poderiam garantir que as criptomoedas não fossem usadas pela Rússia para evitar sanções.


Já em outubro passado, o Departamento do Tesouro divulgou um relatório que dizia que os ativos digitais correm o risco de minar o regime de sanções dos EUA – uma das bases da política externa americana.


“Essas tecnologias oferecem aos atores malignos oportunidades de manter e transferir fundos para fora do sistema financeiro.


Eles também capacitam nossos adversários que buscam construir novos sistemas financeiros e de pagamento destinados a diminuir o papel global do dólar”, disse o relatório.


No entanto, não foi revelado como a União Europeia pretende mitigar a utilização das criptomoedas na Rússia.


Muito provavelmente, a UE deve coibir entidades centralizadas que fazem a ponte entre a moeda fiduciária e o mercado de cripto-ativos.


Além disso, outro medo predominante é que a Rússia possa utilizar ransomwares como forma de desestabilizar empresas e governos ocidentais.


De acordo com a empresa de análise de blockchain Chainalysis, cerca de três quartos (74%) da receita global de ransomware do mundo em 2021 veio de fontes “altamente prováveis” de serem filiadas à Rússia.


No famoso arranha-céu russo de Moscou, Vostok, o país também abriga vários negócios relacionados a criptomoedas que processam “volume substancial de transações” de fontes ilícitas, de acordo com a Chainalysis.


O ex-agente do FBI Crane Hassold também disse recentemente ao Decrypt que as criptomoedas são o “fator primário” que impulsiona o cenário de ransomware atualmente.


“Ele essencialmente permite que os pagamentos gerais de ransomware que vimos anteriormente sejam dimensionados para números muito loucos”, disse Hassold.


Fonte: Criptonizando

Comments


bottom of page